Foto: Everton_Ferreira

Trava

Aproveitando a semana da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, o Teatro Sérgio Cardoso e o Museu da Diversidade Sexual apresentam, em parceria, uma pequena mostra de espetáculos.

“Trava” nasce como uma tentativa de direito de resposta. Um corpo travesti, um corpo bixa, uma mulher que após processos constantes de destruição, de opressão e mudez, assume o seu espaço de voz. No repertório, Chico Buarque, Rômulo Fróes, Batatinha, Consuelo Velázquez, Letícia Bassit, entre outros, em interpretações que redimensionam os discursos a partir de um corpo político, que diz, canta e grita suas mazelas e prazeres. Liberar a trava, desfazer os nós e dançar com a morte para se reconhecer viva.